Notícias do Movimento Espírita

São Paulo, SP, sexta-feira, 16 de maio de 2014

Compiladas por Ismael Gobbo

Agradecemos àqueles que gentilmente repassam este email

Parcerias

 

 

http://ismaelgobbo.blogspot.com.br/

www.abrade.com.br         http://www.redeamigoespirita.com.br/

 

 

 

Nota 1

Recomendamos confirmar junto aos organizadores os eventos aqui divulgados. Podem ocorrer cancelamentos ou mudanças que nem sempre chegam ao nosso conhecimento.

 

 

Nota 2

Este email é uma forma alternativa de divulgação de noticias, eventos, entrevistas e artigos espíritas. Recebemos as informações de fontes  diversas e fazemos o repasse aos destinatários de nossa lista de contatos. Trabalhamos com a expectativa de que as informações que nos chegam sejam absolutamente espíritas na forma como preconiza o codificador do Espiritismo, Allan Kardec.  Pedimos aos nossos diletos colaboradores que façam uma análise criteriosa e só nos remetam para divulgação matérias genuinamente espíritas. (Ismael Gobbo)

 

 

Atenção

Se você tiver dificuldades em abrir o arquivo, recebê-lo incompleto ou cortado e fotos que não abrem, clique aqui: http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/16-05-2014.htm

 

 

Abaixo os links dos  últimos emails de Noticias enviados

 

Se você não recebeu algum deles é só clicar na data correspondente:

15-05-2014   http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/15-05-2014.htm

14-05-2014   http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/14-05-2014.htm

13-05-2014   http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/13-05-2014.htm

12-05-2014   http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/12-05-2014.htm

10-05-2014   http://www.noticiasespiritas.com.br/2014/MAIO/10-05-2014.htm

 

 

 

Nota: Todas as notícias deste e de emails anteriores estão postadas no blog: http://ismaelgobbo.blogspot.com . O trabalho é totalmente gratuito e desenvolvido com o concurso de colaboradores voluntários.  

 

 

 

Efeitos da fé

 

 

Aylton Paiva

Lins, SP

 

            Se tivésseis a fé do tamanho   de um grão de mostarda, diríeis a esta montanha: Transporta-te daí para ali e ela se transportaria” . Mateus, 17, v.20. (1)

            Obviamente essas palavras de Jesus deveriam ser entendidas, à sua época, como uma figura literária para reforçar a necessidade da convicção e da determinação, no entanto, ao longo dos anos e dos séculos, o homem teve fé de que poderia transportar a montanha daqui para ali. É o que vemos, nos dias atuais, o homem através das grandes máquinas e tratores “leva” a montanha daqui para acolá.

            Tal a “fé” que individual e coletivamente é preciso ter para construir o mundo melhor, a partir de nós mesmos.

            Contudo, cabe-nos, aqui especialmente a compreensão e a aplicação da fé em nossa vida pessoal.

            Alerta-nos, pois, Allan Kardec: “ A fé sincera e verdadeira é sempre calma; faculta a paciência que sabe esperar, porque, tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de chegar ao objetivo visado. “ (2)

            Por vivermos em um mundo ainda de tribulações, dores e dificuldades é preciso ter fé para superar esses obstáculos.

            Leiamos, por conseguinte, as sábias e experientes palavras do Mentor Espiritual Emmanuel. E diz ele assim:

            “ Em matéria de fé não te esqueças do esforço na realização que te propões a alcançar.

            O lavrador confia na colheita, mas, para isso, não menospreza o próprio suor no arado laborioso, permanecendo em atenciosa vigília, desde os problemas da sementeira às equações do celeiro.

            O arquiteto conta materializar a construção que lhe nasce do gênio criativo, porém, para atingi-la, vela pela segurança da obra, desde a base ao teto, consciente de que insignificante erro de cálculo lhe comprometeria o serviço integral.

            O professor conhece os méritos da escola, mas não ignora a necessidade da própria renúncia na formação cultural do discípulo, permanecendo na tarefa assistencial, em favor dele, desde o alfabeto ao título de competência.

            O operário espera o vencimento mensal que lhe assegura a subsistência, no entanto, sabe que não pode relaxar os próprios deveres, a fim de que a supervisão do trabalho não o exonere ou prejudique.

            Fé que apenas brilhe na palavra vazia ou fé parasitária que somente se equilibra pela influência alheia, nutrindo-se tão-somente de promessas brilhantes e relegando a outrem as obrigações que a vida lhe assinala, serão sempre atitudes superficiais daqueles que se infantilizam à frente das responsabilidades que o Senhor confere a cada um de nós.

            Aceitemos o imperativo de nossa própria renovação com o Cristo, se realmente buscamos um clima de elevação à própria existência.

            Tracemos nosso ideal superior, utilizando nossas melhores esperanças, todavia, não nos esqueçamos de transpirar no esforço próprio, doando nossas forças na edificação que pretendemos buscar, porque a fé em si constitui dinamismo atuante de nossas energias, condicionados à forma e à natureza de nossas orações ou de nossos desejos, impondo-nos, inevitavelmente, o resultado das ações que nos são próprias, seja na luz redentora do bem ou na treva escravizante do mal.”  (3)

            Essas lúcidas considerações de Emmanuel revelam com toda clareza  a necessidade de se aliar à fé – impulso da vontade, esclarecido pela razão – com a ação – na realização de nossos propósitos.

            Na vivência da fé, é indiscutível que precisamos buscar Deus, porém, não  na condição de eternos pedintes e suplicantes contumazes. Imprescindível ligarmo-nos ao Pai Supremo espiritualmente  e senti-Lo na condição de filhos a quem Ele propiciou o bem supremo: - a Vida!

Bibliografia:

(1)   O Novo Testamento

            (2) O Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XIX, item 3, § 2º,   Allan Kardec, Ed. FEB.

            (3) Fé, Paz e Amor,  págs 17 a 20,  Emmanuel/F.C.Xavier, Ed. GEEM

 

 

Um pé de Mostarda de folhas em floreira de sacada. Araçatuba, SP.  Foto Ismael Gobbo

 

 

 

 

Registro. Roteiro Europa 2014 com Divaldo Pereira Franco

Munique, Alemanha

 

14 de maio de 2014.

 

No entardecer do dia 14 de maio de 2014, em uma quarta-feira fria, na cidade de Munique, na Alemanha, Divaldo Pereira Franco deu prosseguimento com as atividades de divulgação do Evangelho de Jesus, levando o esclarecimento e o consolo à luz da Doutrina Espírita para uma atenta plateia que o aguardava nas dependências do Jugendherberge München-Park. O evento foi uma promoção do G.E.E.A.K- Grupo de Estudos Espiritas Allan Kardec de Munique.

O exímio orador abordou o sentimento culpa, contando com a colaboração de sua intérprete para o Idioma Alemão, a Sra. Edith Burkhard. Fez apreciações sobre os arquétipos, cujo significado em grego entende-se por marcas antigas. Referiu-se, também, sobre a psique humana, composta por três principais arquétipos, o Ego, o Self e a Sombra, além daquelas outras mais populares como a Anima, ou seja, a função feminina que todo homem possui, e o Animus, a função masculina de toda a mulher, discorrendo sobre cada uma dessas particularidades. Continuando, disse que a Doutrina Espírita explica que na evolução do Self – o Espírito -, ele aparece na terra, ora como homem, ora como mulher, e transfere de uma para outra existência as suas experiências e, nessas experiências estão contidos os arquétipos, as heranças dos seus atos.

Todo o indivíduo, destacou o incansável conferencista, possui em seu inconsciente a presença de um arquétipo muito perturbador, que é a culpa. A proposta da Psicologia é a de que o indivíduo faça um autoexame, que tenha a coragem de olhar e identificar as suas imperfeições, pois que todos as possuem. O ser humano deve ter a consciência de que comete erros, e muitos. Assim, é sabedor que tem o direito de errar, porém, de não permanecer no erro. Caso opte em ficar no erro, o seu inconsciente desenvolve o sentimento de culpa e busca máscaras para manter o quadro, justificando-se

Quantos de nós somos tomados pela depressão e vivemos com raiva, por que não temos coragem de nos libertar da culpa? indagou Divaldo, citando de imediato os três passos básicos para esta libertação: 1 - Reconhecimento, isto é, reconhecer o erro sem se justificar; 2 - Arrependimento, que é a recompensa na visão psicológica; e 3 - Remissão, ou seja, a busca pela dignificação, a coragem para pedir desculpas. Salientou o Arauto do Evangelho que esta é mesma síntese apresentada pelo insigne codificador Alan Kardec no ano 1865, quando publicou a obra O Céu e o Inferno.

O espiritismo destaca que os indivíduos foram criados para serem felizes. Portanto, prosseguiu Divaldo, não cultive ideias negativas, mágoas, culpas, faça do amor o mapa de suas vidas, encorajando o atento público. Finalizando a harmoniosa e esclarecedora conferência, sugeriu que se viva em paz consigo mesmo, que não se tenha preocupações com o que os outros pensem a seu respeito. A Doutrina Espírita veio ressuscitar a Doutrina de Jesus, com sua ética moral, pois é a religião cósmica do amor. Como derradeira exortação disse: Nada mais de culpa, deixemos a culpa de lado e vamos viver o amor.

         Fotos e texto: Ênio Medeiros

       

 

                      Abraços,

                      Jorge Moehlecke

 

 

 

Retiro espiritual com Divaldo Pereira Franco

Bad Honnef, Alemanha

 

 

(Informação recebida em email de Elsa Rossi)

 

 

 

XII Encontro de Jovens no NESJ

São Paulo, SP

 

 

(Informação recebida em email de eneascorrea@hotmail.com)

 

 

Seminário no C.E. Emmanuel vai abordar “O Dirigente Espírita”

São Bernardo do Campo, SP

 

(Informação recebida em email de Roseane Araújo [roseanecristina@gmail.com])

 

 

XIII FEMEU- Festival de Música Espírita de Uberaba

Uberaba, MG

 

 

(Informação recebida em email de Luiz Carlos de Souza)

 

 

 

Palestra lítero-musical com Ery Lopes e João Lucius no NER

São Paulo, SP

 

 

(Informação recebida em email de Ery Lopes [erimilson@hotmail.com])

 

 

Prossegue ciclo de palestras na Comuidade Eurípedes Barsanulfo

Marília, SP

rede logo.jpg

 

Olá, amigos.

 

Prossegue no próximo sábado o ciclo de palestras programado pela Comunidade Eurípedes 

Barsanulfo, em comemoração aos 34 anos de fundação.

 

Abraços fraternais.

 

Donizete

 

(Informação recebida em email de Donizete Pinheiro)

 

 

III Mostra de Arte Espírita

Uberaba, MG

 

 

(Informação recebida em email de Luiz Carlos de Souza)

 

 

Encontro de Psicografia e Arte Mediúnica. M.E. Anália Franco

Guarulhos, SP

 

 

(Informação recebida em email de Regina Bachega)

 

 

Campanha do CECF

São Paulo, SP

 

 

(Informação recebida em email de jaci almeida [almeida.jaci@gmail.com])

 

 

CEA- Confederação Espírita Argentina

no facebook

 

Visualizar  página:

https://www.facebook.com/confederacion

 

 

Informações do Centro Espírita Bezerra de Menezes

Miami, Flórida, EUA

 

Acesse aqui:

http://campaign.r20.constantcontact.com/render?ca=bced86b8-7173-490e-b69c-f841d130a608&c=400f3980-57ba-11e3-a749-d4ae5275dbc8&ch=40135830-57ba-11e3-a749-d4ae5275dbc8

 

 

 

Jornal Espírita de Uberaba

Uberaba, MG

 

Jornal Espírita de Uberaba, edição nº 92 de Maio/2014.

ACESSE O JORNAL:

Sites: www.jornalespiritadeuberaba.com.br ou www.issuu.com/jornalespiritadeuberaba

Twitter: @jornalespirita

Facebook: Jornal Espírita de Uberaba I e Jornal Espírita de Uberaba II

 

 

 

Jornal “O Semeador”  do CEBEM

Duque de Caxias, RJ

 

SOLICITE:

cebm.caxias@gmail.com

 

 

 

Acesse a Revista de Estudos Espíritas

 

Caros amigos-leitores da REE,

 

É com grande satisfação que comunicamos que a edição de maio-junho da Revista de Estudos Espíritas já está disponível, na íntegra, em nosso site, www.ree.org.br.

 

Em anexo, segue nosso boletim com os destaques e outras informações da REE.

 

Um grande abraço e boa leitura!

 

Dermeval Carinhana

Editor da REE

 

 

Campanha da Casa Lar Luz do Caminho

Florianópolis, SC

 

Olá,

 

Venho hoje solicitar sua ajuda para essa nova campanha, são itens que estamos necessitando após o uso de todo o​ enxoval da casa por 4 anos seguidos.

 

Peço por gentileza, que nos comunique o que está pretendendo doar, assim não ficamos com muito de um mesmo item e com nada de outro.

 

Muito obrigada!

 

 

--

Silvanne Martins

Diretora Comunicação Social

Casa lar Luz do Caminho

(48) 3206-9519

 

 

(Informação em email de Comunicação Social Casalar Luz do Caminho comunicacaosocialcasalar@gmail.com repassado por espiritas-local-2012@googlegroups.com)

 

 

Estudando a riqueza

 

Pelo Espírito Emmanuel. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Livro: Dinheiro. Lição nº 03. Página 23.

 

Não é somente o Rico da Parábola o grande devedor diante da vida.

A fortuna amoedada é, por vezes, simples cárcere.

Há outros avarentos que devemos recordar em nossa viagem para a Luz Maior.

Temos conosco, os sovinas da inteligência, que se ocultam nas floridas trincheiras da inércia; os abastados da saúde que desamparam os aflitos e os doentes; os privilegiados da alegria que cerram as portas aos tristes, isolando-se no oásis de prazer; os felizes da fé que procuram a solidão, a pretexto de se preservarem contra o pecado; os expoentes da mocidade que menosprezam a velhice; os favorecidos da família terrestre, que olvidam os andarilhos da penúria que vagueiam sem lar.

Todos esses ricos da experiência comum contraem pesados débitos para com a Humanidade.

Lembremo-nos de que o Tesouro Real da Vida está em nosso coração.

Quem não pode doar algo de si mesmo, na boa vontade, no sorriso fraterno ou na palavra sincera de bondade e encorajamento, debalde estenderá as mãos recheadas de ouro, porque só o amor abre as portas da plenitude espiritual e semeia na Terra a luz da verdadeira caridade, que extingue o mal e dissipa as trevas.

A pobreza é mera ficção.

Todos temos algo.

Todos podemos auxiliar.

Todos podemos servir.

E, consoante a palavra do Mestre, “o maior na vida será sempre aquele que se fizer o devotado servidor de todos.”

 

(Texto recebido em email do divulgador Antonio Sávio, de Belo Horizonte, MG)

Parque da Luz. São Paulo. Brasil. Foto Ismael Gobbo

 

 

 

Um minuto

(Copiado do site Feparana)

 

Por um minuto, feche os olhos e pense no que lhe aprouver...

E se você descobrisse que o tempo que lhe resta é apenas mais um minuto? Exatos sessenta segundos: nem mais, nem menos.

Certo seria que, ao tomar conhecimento de tal fato, as coisas mudassem de dimensão.

O dinheiro, antes indispensável, nesse instante se tornaria insignificante. E nem toda a riqueza do mundo seria capaz de modificar esse quadro.

As velhas mágoas acumuladas, as frustrações, as decepções tantas, as reclamações diárias, diante dessa situação tão peculiar, se tornariam vazias, quase sem sentido.

As brigas de família, a teimosia do marido, a impaciência da esposa, a desobediência dos filhos, nesse minuto final, ao invés de causarem irritação, trariam um sentimento de nostalgia e saudade.

Por outro lado, as coisas simples, os pequenos gestos que demonstram afetividade, carinho, gentileza, seriam infinitamente engrandecidos, nesse derradeiro minuto.

Um beijo, um abraço apertado, uma declaração de amor, uma troca de olhares, um pedido de desculpas se tornariam aquilo que de mais precioso existe no mundo.

Um toque, um sorriso, mãos que se encontram, um sincero eu te amo: os tesouros escondidos por trás da simplicidade.

*   *   *

Você já havia parado para pensar no quanto pode ser feito em um minuto? Ou melhor, você já parou um minuto para pensar?

Sem dúvidas, não se pode fazer tudo o que se deseja em sessenta segundos. Mas um minuto é tempo suficiente para se mudar tudo para sempre.

Um minuto é o tempo necessário para se optar entre a ofensa e o perdão, entre o ódio e o amor, entre a violência e a paz.

é o necessário para declararmos nosso amor por alguém, para oferecermos pão a quem tem fome, consolo a quem perdeu as esperanças, para compartilharmos um sorriso.

Em apenas um minuto podemos acalentar corações, levarmos alegria, escrevermos um bilhete de ternura a alguém especial.

Um minuto é o suficiente para irradiarmos luz aos nossos familiares, aos nossos amigos, àqueles que partiram para a eternidade, àqueles que passam pelas provas da vida, através da oração.

Um minuto é tempo mais do que suficiente para se ser feliz.

*   *   *

Você se permitiu ser feliz neste exato minuto?

Deixe para lá os arrependimentos do passado. Foque-se no presente, pois é no presente que reajustamos as más escolhas do passado e construímos o futuro.

Acredite na força do perdão. Lembre-se de que todos somos caminheiros da estrada do progresso e que ora acertamos, ora nos equivocamos em nossas escolhas. Tenha paciência com as faltas alheias como você tem com as suas próprias falhas.

Tenha como norte a fé, a esperança e a caridade. Assim, por mais escura que se faça a noite, seus passos sempre o levarão em direção à felicidade, ao amor e à paz.

Permita-se renovar: é preciso um minuto, não mais do que um minuto.

Pense nisso. Aproveite o próximo minuto.

Redação do Momento Espírita.
Em 15.5.2014.

 

Estação Júlio Prestes. São Paulo. Foto Ismael Gobbo

 

 

 

Editoração e envio: Ismael Gobbo, São Paulo,  SP. Gislaine Pascoal Yokomizo e Leonardo Yokomizo, Jacareí, SP

 

 

 

Em absoluto respeito à sua privacidade, caso não mais queira receber este boletim de notícias do movimento espírita, envie-nos um email solicitando a exclusão do seu endereço eletrônico de nossa lista. Nosso endereço: igobi@uol.com.br